Comissão Própria de Avaliação – CPA

Para concretizar a sua missão, a Instituição de Ensino Superior precisa constantemente refletir sobre si com o intuito de superar suas deficiências (pontos de estrangulamento), descobrir caminhos que ainda não foram percorridos e contribuir para que a comunidade acadêmica consiga realizar, com qualidade, as metas e missões institucionais.

Assim, se é agente de transformações e rupturas, agente crítico e reflexivo da sociedade, a Instituição tem que ter o poder de também ser agente de transformações e rupturas no seu próprio interior, o que só é realizado quando ela volta para si o seu “olhar” crítico e reflexivo. Este é o papel da avaliação institucional: possibilitar à Instituição rever as suas ações, atitudes, valores de forma crítica e reflexiva, objetivando melhorar a sua atuação perante a sociedade e a comunidade acadêmica.

A Comissão Própria de Avaliação da Faculdade AGES de Medicina foi constituída com o propósito de coordenar os processos internos de avaliação, sistematizá-los e prestar informações solicitadas pelo INEP. Terá o caráter construtivo e formativo, colocando em análise todas as atividades desenvolvidas pela organização, a fim de materializar sua missão: “Servir como elemento de desenvolvimento e construção do saber, promovendo a formação generalista dos profissionais das áreas da saúde, com ensino de qualidade voltado para as necessidades loco regionais e nacionais criando alternativas de soluções para os problemas de saúde postos pela sociedade, referenciando-se na ciência e tecnologia como fator de avanço e progresso da humanidade”. Todas as ações da faculdade devem estar reguladas a essa missão, aos princípios, valores e, fundamentalmente, nas dez dimensões dispostas pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior – CONAES.

Seguramente, a evolução da instituição ocorrerá através de uma boa Avaliação Institucional e um planejamento da gestão administrativa que atenda aos requisitos legais e políticas institucionais previstas.

Para isso, serão desenvolvidos alguns processos de avaliação com ciclos contínuos, suscitando informações e levando-as até as pessoas que tomam as decisões. Como toda a comunidade acadêmica e externa deverá se envolver, trabalharemos com uma avaliação participativa para a construção de diagnósticos e pareceres que fundamentem a melhoria continua da instituição.

A Faculdade AGES objetiva, continuadamente, a melhoria da qualidade do ensino, pesquisa e extensão, estimulando a participação de todos os atores que compõem o cenário educacional. Professores, alunos, funcionários e sociedade são essenciais no processo de análise e reconhecimento dos serviços ofertados pela Instituição, sendo assim, ouvi-los promove o autoconhecimento e a tomada de decisão, no sentido de agregar valor aos diversos segmentos. O processo de pesquisa ocorre através da Autoavaliação Institucional, promovida pela Comissão Própria de Avaliação (CPA).

É importante que a CPA acompanhe o Plano de Desenvolvimento Institucional, a fim de analisar e contribuir para melhores práticas na IES. Além de acompanhar a execução das atividades propostas no documento, é preciso verificar se alguma ação deixou de ser executada, esclarecendo o motivo e apontado caminhos para que possa ser efetivada.

A apresentação dos resultados da Avaliação Institucional colabora para o reconhecimento de potencialidades e fragilidades que servirão de parâmetro para a construção de planos de ação que materialize a Missão da Instituição. Todos os agentes da comunidade acadêmica poderão contribuir através de sugestões, críticas, elogios e participação direta em algumas etapas do processo de avaliação.

A Comissão Própria de Avaliação (CPA) foi criada como parte do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituída pela Lei 10.861, de 14 de abril de 2004. Durante os processos avaliativos, esperamos que haja integração entre os avaliadores e avaliados, comprometendo-se com a sistemática da avaliação para que se tenha o maior número possível de participantes. Desse modo, potencializam-se aqueles que fazem as coisas acontecer, independente das adversidades e das ameaças. Ao mesmo tempo, procura eliminar o estigma de que a avaliação seja um sinônimo de punição, valorizando o planejamento e a definição de metas através da discussão coletiva.

Deverá, neste período de 2015-2019, construir um processo dinâmico e formativo para que as ações desenvolvidas estejam baseadas na missão institucional. A compreensão da realidade no processo avaliativo é uma importante ferramenta para que se possa identificar e apontar as principais demandas dos segmentos e setores da instituição. Essa construção caminha para a contribuição do processo de tomada de decisão dos gestores, pois, permite construir um diagnóstico inicial, planos de médio e longo prazo.

A CPA da IES atua com autonomia em relação a conselhos e demais órgãos colegiados existentes. A composição, a duração do mandato de seus membros, a dinâmica de funcionamento e a especificação de atribuições da CPA constituem objeto de regulamentação própria, aprovado pelo órgão colegiado máximo, observando-se as seguintes diretrizes:

I – Necessária participação de todos os segmentos da comunidade acadêmica (docente, discente e técnico-administrativo) e de representantes da sociedade civil organizada, ficando vedada à existência de maioria absoluta por parte de qualquer um dos segmentos representados;

II – Ampla divulgação de sua composição e de todas as suas atividades.