Publicado em 19/09/2019

 

O alto índice de desconhecimento populacional acerca dos primeiros socorros traz uma notória visão sobre os problemas resultantes da má conduta diante dos procedimentos a serem tomados em casos de acidentes. Fato que, muitas vezes, acaba prejudicando ainda mais a situação das vítimas traumatizadas.

Nesse sentido, o projeto Primeiros Socorros na Escola, desenvolvido pela Liga Acadêmica do Trauma do UniAGES, sob orientação do Prof. Wellington Pereira Rodrigues, visa capacitar alunos e professores de escolas públicas e particulares, de nível fundamental e médio, sobre os procedimentos básicos de primeiros socorros. Assim, promovendo um maior conhecimento para a realização de assistências básicas às vítimas traumatizadas até a chegada da equipe de saúde especializada, ou na oferta de um transporte seguro até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) ou a unidade de saúde mais próxima.

Pautados, sobretudo, em Coelho (2015), vê-se que é necessário permanecer com a educação em primeiros socorros em escolas, pois é daí que transcendem os cidadãos que podem mudar o cenário social. Uma vez capacitados para a realização básica de primeiros socorros, a população se torna parte de uma organização maior de contribuintes para a preservação da vida.

Neste cenário, a assistência dos acadêmicos de Enfermagem é fundamental, principalmente nesse processo de ensino e aprendizagem, pautado na prevenção e diminuição da incidência dos acidentes, que a cada dia somam-se aos dados relacionados ao número crescente de mortes por complicações, pela falta de assistência imediata à vítima.

Assim, esta iniciativa, que teve uma ação realizada no dia 17 de setembro de 2019, contou com a participação da direção e professores da Escola Estadual Castro Alves, localizada no município de Adustina (BA), juntamente com os acadêmicos de Enfermagem do UniAGES que, de forma prática e muito profissional, demonstraram que aprendizagem e execução de procedimentos de primeiros socorros não é um “bicho de sete cabeças”.

Na ocasião, foram realizados os procedimentos de Reanimação Cardiopulmonar (RCP); Abordagens aos pacientes vítimas de Acidente Vascular Encefálico (AVE); Imobilizações em prancha longa (90 e 180°); Imobilização sentado o com uso do Ked; e Imobilização em pé com três pessoas. Dessa maneira, foram observados os melhores resultados sobre o nível de comprometimento dos participantes em realizar as ações de prevenção de complicações secundárias ao incidente e de minimizar os possíveis danos durante a prestação de socorro imediato.

Espera-se, com estas ações, que as intervenções educacionais sobre primeiros socorros sejam efetivas para o aprendizado da população leiga. Assim, pretende-se que os participantes demonstrem conhecimento frente aos procedimentos básicos de primeiros socorros nas mais diversas situações de urgência e emergência.

Além desses benefícios prestados à população, os acadêmicos terão a oportunidade de promover a assistência à saúde de maneira adequada, rápida e eficaz com base nos preceitos teóricos e práticos; proporcionar aos alunos da escola o olhar humanizado visando o paciente como um todo e não apenas pela sua patologia; despertar o interesse pelo curso e pela profissão, visando o cuidado ao próximo de maneira integra, com equidade e respeito; e estimular a capacidade de resolutividade de problemas dos alunos envolvidos no projeto.

Tendo em vista os ganhos e o compromisso com o desenvolvimento social, o projeto será realizado em outras escolas localizadas na Bahia e em Sergipe.